Olhos Archives - ZEISS Vision Care Brasil
Dieta saudável macarrão ovos peixes Revista Veja Bem ZEISS

Uma dieta saudável para seus olhos

Alimentar-se bem é uma dica comum de saúde que os médicos usam na hora de aconselhar seus pacientes na prevenção de doenças. E claro, nossos olhos não escapam desses conselhos. Para mantermos nossa visão saudável, nada melhor que combinarmos uma dieta rica e saudável. Veja só quais alimentos podem ser benéficos aos nossos olhos, de acordo com pesquisa da Revista Veja Bem.

PEIXES

A Síndrome do Olho Seco, que consiste na diminuição da produção de lágrimas, bastante comum no inverno, pode ser evitada com a ingestão de peixes, ricos em ômega 3. A substância é indicada como possível adversária da síndrome.*

OVOS

Os ovos também podem ser seus aliados na busca por uma boa saúde ocular. Ricos em vitaminas B12, A e D, podem prevenir a degeneração macular e a catarata. Eles também protegem a córnea e podem evitar cegueira noturna.*

ALHO

E que tal um macarrão alho e óleo para manter seu olho saudável? Isso mesmo que você leu. O alho presente na refeição é seu grande aliado na busca por uma boa circulação. Isso porque ele é rico em vitaminas C e B1, que, combinadas, mantém a circulação sanguínea boa e funcional, irrigando melhor os olhos, diminuindo a pressão arterial e prevenindo contra o glaucoma.**

* De acordo com a Revista Veja Bem ed.07 – Conselho Brasileiro de Oftalmologia

** De acordo com a Revista Veja Bem ed.02 – Conselho Brasileiro de Oftalmologia

perfil de visão olho dna

O DNA dos seus olhos

A ZEISS desenvolveu uma ferramenta de análise do perfil de visão que você pode utilizar para determinar seus hábitos de visão pessoais. O Perfil Minha Visão preparado pela ZEISS determina suas exigências visuais a partir das seguintes esferas da vida:

 

  • Mundo de trabalho
  • Atividades diárias
  • Atividades digitais
  • Mobilidade
  • Atividades de lazer

 

O resultado final é o seu Perfil de Visão pessoal e uma solução recomendada em lentes da ZEISS que é personalizada precisamente para seus hábitos visuais pessoais – tudo sem custo e sem obrigações.

Em seguida, você pode levar o seu Perfil de Visão pessoal na forma impressa ou código QR para um oculista ZEISS em sua área. O oculista irá testar a sua visão e examinar seus olhos. Com os resultados do Perfil Minha Visão e o exame dos olhos, seu oculista irá aconselhá-lo e recomendar a solução em lentes ZEISS que mais se enquadra às suas necessidades.

Confira o Perfil Minha Visão abaixo:
Clique Aqui

olho azul globo ocular mulher coroide cristalino retina

Raio-X da Visão

Enxergar. Um ato cotidiano para a maioria, um sentido vital que é exercitado desde o nascimento. Talvez por parecer tão simples, é fácil esquecer como a visão humana é complexa, um verdadeiro encadeamento de mecanismos que permitem a transformação da luz em imagens. Por isso, conhecer a formação da visão é tão importante para saber como cuidar melhor destes órgãos fantásticos.

Tudo começa com pequenas partículas emitidas pela luz, os fótons. Conforme circulam pelo ambiente, os fótons “esbarram” nos objetos e são direcionados para os nossos olhos. A partir do momento em que os tocam, começa um complicado processo para transformar a informação da luz em impulso elétrico, para que o cérebro consiga processá-la.

Primeiramente, a luz atravessa um tecido transparente, a córnea, e atinge a pupila, cuja principal função é regular a entrada da luz. A pupila é controlada pela íris, a parte colorida do olho, formada por músculos que ganham pigmentação conforme o tempo, o que explica o fato de que muitos bebês nascem com olhos azuis que escurecem com a idade.

Depois de atravessar a córnea e a pupila, a luz viaja pelo humor aquoso – líquido que preenche e hidrata a cavidade formada por córnea e o cristalino, outra importante peça deste mecanismo. O cristalino atua como as lentes das máquinas fotográficas, controlando o foco das imagens. Ele passa por um processo chamado acomodação, no qual os músculos que o controlam se contraem ou relaxam para focar em diferentes distâncias. Ambos são transparentes para permitir a passagem da luz e a opacidade em qualquer um dos dois pode causar perda de visão e cegueira.

Depois de atravessar o cristalino, a luz passa pelo humor vítreo, que é um gel composto por água e colágeno. Ele é responsável por manter a forma, peso e volume do olho e também é transparente para permitir a passagem da luz.

A partir disso, a luz chega à retina, uma das áreas mais sensíveis dos olhos. É através da retina que os estímulos luminosos se transformam em impulsos nervosos transmitidos pelo nervo óptico.

As células que se dedicam a este trabalho são os chamados fotorreceptores. Existem dois tipos dessas células, os cones – que captam as cores – e os bastonetes, que permitem a visão noturna, além de enxergarem o branco e o preto.  Os bastonetes se localizam nas partes laterais dos olhos, enquanto os cones se concentram no centro, mesma região de duas áreas importantes: mácula e fóvea.

Mácula é a denominação do centro da retina. A área contém o dobro de fotorreceptores que as demais partes da retina e é responsável por enxergar detalhes. O centro da mácula é uma depressão chamada fóvea, onde a acuidade visual atinge seu nível mais preciso.

No interior dos olhos, em camadas posteriores à retina, o mesmo tecido que forma a córnea cria a esclera, uma membrana que protege os olhos (visivelmente, a parte branca do globo ocular). Logo abaixo dela está a coroide, que comporta os vasos sanguíneos que nutrirão as células.

Depois de captadas pelas células da retina, as imagens são transmitidas até o cérebro pelo nervo óptico contendo informações como a cor do objeto, sua forma, posição e nível de luminosidade. Um detalhe importante é que, como o cristalino é uma lente convergente – ou seja, uma lente que direciona os raios de luz para um mesmo ponto – a imagem projetada na retina é invertida.

A conversão para a posição normal ocorre no centro de processamento da visão no cérebro, o lobo occipital. Essa região, localizada do lado direito inferior da cabeça, é a maior responsável pela elaboração das imagens e doenças neurológicas, como epilepsia, ou impactos na área podem levar à cegueira permanente.

Diferente de muitos órgãos do corpo, como fígado e pele, as células oculares dificilmente se regeneram, assim como os neurônios, o que torna a visão um bem extremamente precioso. Uma vez que qualquer uma de partes é permanentemente danificada, as chances de recuperar a visão são mínimas, se não nulas. Portanto, a melhor maneira de garantir uma visão saudável é através da prevenção e do acompanhamento médico regular.

Os olhos do seu filho

Os primeiros meses de vida estão entre os períodos mais importantes para o desenvolvimento de uma criança. É nessa fase que os bebês aprendem a andar, comer, falar e uma série de outras atividades que fazem a alegria dos pais. Embora não seja um acontecimento tão celebrado quanto o primeiro dentinho ou a primeira palavra, a visão também passa por várias mudanças nos primeiros 24 meses, auge do desenvolvimento dos olhos da criança.

Por isso, é essencial que os pais e médicos fiquem atentos a quaisquer sinais de que o bebê está com dificuldades para enxergar, afinal, quanto antes o diagnóstico for feito, maiores as chances de obter tratamento adequado e evitar prejuízos à saúde da criança.

Os cuidados devem começar logo depois o parto, especialmente com bebês prematuros. Por ficarem expostos ao oxigênio da incubadora, eles podem sofrer lesões oculares, mas que são tratáveis nesta fase, se detectadas rapidamente.
Ainda na maternidade o bebê deve passar pelo chamado “teste do olhinho”. Nele, o pediatra responsável examina os olhos do bebê com o oftalmoscópio, um aparelho que emite um feixe de luz vermelha. Através do comportamento do reflexo é possível saber se o neném apresenta doenças congênitas, como catarata, glaucoma, retinoblastoma (tumor na retina), estrabismo e até cegueira. Caso haja qualquer alteração, o bebê precisa ser encaminhado para um oftalmologista, que realizará exames específicos.

Mas, mesmo em crianças perfeitamente saudáveis, a visão começa a se desenvolver aos poucos. No primeiro mês, o bebê enxerga muito mal e é capaz de identificar apenas vultos, por isso reconhece os pais especialmente pela voz e o cheiro.

A partir do segundo mês, ele começa a discernir cores e, no terceiro, a visão começa a ganhar mais nitidez. Alguns sinais da mudança começam quando eles passam a se sentir atraídos por móbiles e outros brinquedos coloridos, o que é um sinal importante para os pais.

 

Por outro lado, alta sensibilidade à luz ou nunca abrir um dos olhos também podem ser sinais de problema, assim como olhos lacrimejando constantemente. Outra maneira de perceber se há algo errado é observando as fotos. Manchas esbranquiçadas na pupila não são reflexos e podem significar catarata ou retinoblastoma.

Conforme o crescimento, se o bebê sempre mover a cabeça para enxergar algo ou não conseguir acompanhar o movimento de objetos, é importante levá-lo a uma consulta médica com o oftalmologista.

Outro fator que deve ser considerado é a saúde visual dos pais. Caso eles apresentem alguma ametropia como miopia, hipermetropia ou astigmatismo, o ideal é realizar o primeiro exame oftálmico aos dois anos.

Mesmo depois dessa fase, é importante continuar acompanhando as mudanças na visão da criança pois dificuldades na visão frequentemente resultam em problemas de aprendizado. Dificuldades na escola, dores de cabeça, irritabilidade e inquietude podem ser sinais de que a criança não está enxergando direito.

A saúde visual deve ser prioridade em idade, mas quanto antes os cuidados começarem, melhor. Assim a criança poderá aproveitar o melhor da infância, o melhor da tecnologia, como o uso de óculos de realidade virtual para diminuir fobias, e garantir uma visão saudável por toda a vida.