tecnologia Archives - ZEISS Vision Care Brasil

Dor de cabeça além da armação

Estudos indicam que, até 2050, cerca de 50% da população poderá estar usando óculos.* Por esse motivo, vemos a tecnologia melhorando a qualidade das lentes e armações ano após ano. Muitas pessoas ainda postergam ao máximo a utilização dos óculos ou escolhem aqueles que não são ideais para suas características físicas. Isso pode causar incômodos na utilização destes no presente e no futuro.

Aqueles que precisam usar óculos e ainda não descobriram podem ter alguns desconfortos, como a dificuldade para enxergar durante à noite e ver imagens duplicadas. Outro problema que provavelmente pode aparecer é a dor de cabeça. Se você perceber algum incômodo, como os citados, pode ser que tenha chegado a hora de procurar o oftalmologista.

Outros transtornos que podem gerar dores de cabeça estão relacionados à escolha de armações não adequadas. O mau-posicionamento da armação dos óculos no rosto pode fazer com que o uso se torne um fardo e cause, consequentemente, incômodos.

A fadiga, ou vista cansada, também pode gerar dores de cabeça. Para prevenir, escolha com cuidado seus óculos e tire as medidas no i.Terminal. Esse equipamento da ZEISS faz a medição do seu rosto, armação e olhos digitalmente, minimizando esses incômodos.

*De acordo com o American Journal of Ophthalmology

 

Lentes oculares EnergizeMe Mulher Olho verde

PERGUNTAS E RESPOSTAS

1- O webinar será disponibilizado para o público?
R: Você poderá assistir a essa web por até 1 ano acessando ao mesmo link do evento ao vivo: https://www.webmeeting.com.br/?code=WF1UJ&password=66B5F

2- As lentes de correção dos óculos terão o mesmo grau das lentes de contato?
R: Nem sempre sabemos que, acima de 4 dioptrias, existe a compensação das lentes de contato para óculos. Lentes EnergizeMe serão fabricadas com a prescricão de RX normalmente providenciada pelo oftalmologista.

3- Existe alguma diferença entre essas lentes para lentes freeform com anti-reflexo com controle do filtro azul violeta?
R: Sim. Além da fabricação free form a lente possui 3 tecnologias: Desenho EnergizeMe especial para a movimentação dos olhos de um usuário de lentes de contato, Digital Inside que ajusta o foco de perto para uma visão mais nítida dos dispositivos digitais e o tratamento DuraVision Blue Protect que filtra os raios azul violeta nocivos à visão.

4- Há alguma possibilidade da ZEISS fabricar lentes de contato?
R: Ainda não há projetos de fabricação própria da ZEISS em lentes de contato.

5- Porque os blocos das lentes Zeiss são tão limitados?
R: Nas lentes ZEISS, o diâmetro dos blocos conseguem atender a variação média de tamanhos de armação. Em caso de tamanhos ou curvaturas maiores, tem a solução das lentes ZEISS Sport Lens nas versões Visão Simples e Progressivas.

6- Para quem tem a doença ceratocone o uso dessa lente é bom?
R: As lentes EnergizeMe não são terapêuticas, para o caso de ceratocone o oftalmologista indica as lentes de contato corretas para pacientes com esta patologia.

7- Olá, bom dia. Essas novas lentes Zeiss estarão disponíveis em todos os materiais? Seria Vs e Multifocal?
R: Sim, temos as versões Visão Simples, Digital e Progressiva. Disponíveis em todos os materiais.

8- Estará disponível em lentes multifocais?
R: Sim. Temos a versão em lentes progressivas.

9- As lentes podem ser usadas tanto de dia quanto de noite?
R: Sim, poderão ser utilizadas a qualquer momento. Não há período específico.

10- Usuário de LC quando fazem uso dos óculos, reclamam da antirreflexo que embaçam muito ou sem AR ficam insuportáveis de usar…
R: O tratamento que está presente nesta lente é o DuraVision BlueProtect, que possui camadas que são mais transparentes e fáceis de manter as lentes limpas por mais tempo em comparação aos antirreflexo comuns.

11- É necessário algum equipamento para “medir” a variação de movimentação ocular para esse nível de personalização?
R: Não é necessário o uso de equipamentos para avaliar a movimentação ocular. A ZEISS utilizou estudos e algorítimos para a criação do desenho ideal para pessoas que movimentam bastante os olhos e assim já desenvolvendo o desenho ideal para usuários de lentes de contato.

12- O usuário comum de óculos poderá usar EnergizeMe?
R: O público alvo deste produto são usuários de lentes de contato que procuram o alívio dos olhos após o uso de lentes de contato utilizando óculos em algum período do dia. Para usuários contínuos de óculos no tempo integral, podem ser indicadas outras soluções da ZEISS como ZEISS Digital Lentes ou Visão Simples ZEISS.

13- Essa lente vai ter disponibilidade no drive safe?
R: Não. DriveSafe é uma solução para quem necessita de mais proteção emelhor foco quando dirige principalmente à noite.

14- Se as lentes de contato possuem alguma dioptria, como que poderá usar o mesmo óculos durante o dia, e quando tirar as lentes usar o mesmo óculos?
R: Cada correção terá a dioptria necessária para corrigir o paciente, pode ser a mesma dioptria para óculos e para lentes de contato ou se a dioptria for acima de 4 as lentes de contato terão uma dioptria diferente dos óculos. As duas soluções devem ser feitas com a dioptria prescrita corretamente conforme a RX. O usuário poderá alternar o uso de lentes de contato e óculos normalmente.

15- Essas lentes têm altura mínima?
R: As versões de EnergizeME Visão Simples e EnergizeME Digital terão alturas mínimas de 16mm e a versão EnergizeMe Progressiva com 3 alturas: 14mm, 16mm e 18mm.

16- Hoje temos usuários de lentes a partir de 15 anos de idade, essas lentes são recomendadas para um público abaixo de 20 anos?
R: A recomendação das lentes EnergizeMe Visão Simples são para pessoas de 20 a 30 anos. Em breve termos soluções para públicos mais jovens que 20 anos.

17- Sou Patricia do Carmo Rosa de Itapevi, vai ter nos indices, 1.61 e 1.67?
R: As lentes EnergizeMe terá todos os materiais: 1.5, Poly, 1.60, 1.67 e 1.74.

18- Bom dia, caso eu compare essa lente com uma superb ou individual, a Energizeme é melhor que elas?
R: Superb e Individual são soluções mais personalizadas, que abrangem todos os usuários de óculos contínuos. ZEISS EnergizeMe é uma solução dedicada aos usuários de lentes de contato, o seu projeto foi idealizado nas atividades e fisiologia destes pacientes.

19- Quais os materiais disponíveis?
R: As lentes EnergizeMe terá todos os materiais: 1.5, Poly, 1.60, 1.67 e 1.74.

20- Em monofocais? Por causa da pelica de potencialização.
R: A área de adição está posicionada nas lentes ZEISS EnergizeME Visão Simples para dar um melhor conforto ao paciente que após o uso de lentes de contato vai utilizar os dispositivos digitais como tablets e celulares. Esta adição fará com que os músculos ciliares possam relaxar e aliviar o stress visual nas atividades digitais.

21- Essa lente tem opção para todos índices de refração?
R: As lentes EnergizeMe terá todos os materiais: 1.5, Poly, 1.60, 1.67 e 1.74.

22- Porque não pode pôr outro tipo de tratamento? Tipo duravision platinum.
R: Porque o tratamento DuraVision BlueProtect tem a capacidade de aliviar o stress visual causado pela luz azul violeta vindos de dispositivos digitais. Assim temos uma lente capaz de ter um desenho confortável com melhor foco e ainda um tratamento que reduz o stress visual.

23- O time da Óptica Ocular de CURITIBA quer saber mais sobre o design.
R: O design da ZEISS EnergizeMe proporciona uma transição mais simples das lentes de contato aos óculos e, em combinação com uma pequena adição de 0,40 D, ajuda a relaxar seus olhos já cansados, proporcionando-lhes uma visão confortável, especialmente a distâncias mais próximas. O desenho foi idealizado para que os usuários possam movimentar os olhos com mais liberdade em comparação as lentes convencionais.

24- Estas lentes podem ser usadas como óculos de descanso? ÓTICA PONTO DE VISTA CARAGUATATUBA.
R: EnergizeMe é uma lente que complementa o uso de lentes de contato e óculos. Os pacientes devem utilizar EnergizeMe quando não estiver usando suas Lentes de Contato, porque a lente proporciona um alívio para os olhos devido às suas tecnologias de desenho e tratamento.

25- EnergizeME só esta disponível com o DuraVision BlueProtect?
R: Sim somente DuraVision BlueProtect. Porque o tratamento DuraVision BlueProtect tem a capacidade de aliviar o stress visual causado pela luz azul violeta vindos de dispositivos digitais. Assim temos uma lente capaz de ter um desenho confortável com melhor foco e ainda um tratamento que reduz o stress visual.

26- O uso dessas lentes vão induzir o usuário a utilizar o multifocal mais cedo?
R: Não. A presbiopia é um problema ocular que afeta todas as pessoas entre os 40 e os 45 anos de idade. Os fatores que levam a presbiopia são de origem fisiológica, devido ao cansaço da musculatura ciliar e a perda de elasticidade do cristalino devido ao acúmulo de partículas celulares mortas que se acumulam no mesmo. Nenhuma lente oftálmica pode acelerar ou retardar este processo.

27- Esse lançamento tem semelhança com a individual lenses de ser um pouco progressiva tem uma leve adição pra perto?
R: Existem pequenas semelhanças, mas o desenho da lente é mais suave na sua transição e distribuição das potências dióptricas, para que o usuário de lentes de contato desfrute de uma área mais ampla de visão, e a área de relaxamento de 0,40 é mais confortável para pessoas de 20 a 30 anos. Para pessoas de 30 a 40 anos a área de relaxamento é de 0,65D, ideal para esta faixa etária e usuário de lentes de contato.

28- A Energizeme vai ter com Photofusion?
R: As lentes EnergizeMe também contemplam as versões em PhotoFusion.

29- A lente é sufarçada?
R: A lente é confeccionada com a tecnologia free form de surfaçagem.

30- Os tratamentos disponíveis? Somente blueprotect? Tem na lente esporte também?
R: O tratamento disponível é o DuraVision BlueProtect. Não estará disponível ainda nas versões SportLens.

31- Monofocal ou multifocal?
R: Temos as versões Visão Simples para pacientes de 20 a 30 anos, Digital para pacientes de 30 a 40 anos e Progressivas para pessoas com 40 anos ou acima.

32- Qual a diferença de EnergizeMe para Zeiss Digital Lenses?
R: Existem pequenas semelhanças, mas o desenho das lentes EnergizeMe é mais suave na sua transição e distribuição das potências dióptricas, para que o usuário de lentes de contato desfrute de uma área mais ampla de visão, e a área de relaxamento de 0,40 é mais confortável para pessoas de 20 a 30 anos. Para pessoas de 30 a 40 anos a área de relaxamento é de 0,65D, ideal para esta faixa etária e usuário de lentes de contato.

33- Essa lente não vai ter nenhuma distorção periférica, mesmo quando feitas para quem tem altas diopitrias? Ótica ZOOM.
R: O desenho das lentes EnergizeMe é mais suave na sua transição e distribuição das potências dióptricas, para que o usuário de lentes de contato desfrute de uma área mais ampla de visão em comparação as lentes comuns. A tecnologia free form distribui melhor as dioptrias independente da quantidade assim confeccionando um desenho mais amplo.

34- Então, mas se um usuário de lentes têm um giro do globo ocular necessita de uma lente mais ampliada, por que então não dar mais liberdade para os usuários somente de óculos?
R: O desenho das lentes EnergizeMe é mais suave na sua transição e distribuição das potências dióptricas, para que o usuário de lentes de contato desfrute de uma área mais ampla de visão em comparação as lentes comuns. A tecnologia free form distribui melhor as dioptrias independente da quantidade assim confeccionando um desenho mais amplo.

35- Olá, gostaria de saber se essa lente tem a opção sem antireflexo e índice 1.49.
R: Não temos a opção sem o antirreflexo, porque as lentes EnergizeMe é uma solução com uma tríade de tecnologias: Desenho, Digital Inside e Tratamento BlueProtec. As lentes EnergizeMe terá todos os materiais: 1.5, Poly, 1.60, 1.67 e 1.74.

36- Olá bom dia, eu gostaria de saber como é o corredor progressivo e em relação as aberrações das lentes.
R: O desenho das lentes EnergizeMe é mais suave na sua transição e distribuição das potências dióptricas, para que o usuário de lentes de contato desfrute de uma área mais ampla de visão em comparação as lentes comuns. A tecnologia free form distribui melhor as dioptrias independente da quantidade assim confeccionando um desenho mais amplo.

37- Posso tirar as medidas no I-Terminal?
R: Sempre que você utiliza o i.Terminal e coleta todas as medidas do usuário você terá lentes muito mais precisas.

38- Só pode ser vendida pra usuário a partir de 20 anos?
R: Os nossos estudos e testes com estas lentes comprovaram em 98% de conforto nesta faixa etária, e as lentes foram idealizadas para este público alvo. Em breve a ZEISS vai ter soluções específicas para o público com menos de 20 anos.

39- Bom dia, gostaria de saber se temos que tirar a medida no i.com mobile? Se tem,temos que atualizar o programa pra tirar as medidas?
R: Sempre que você utiliza o i.Terminal e coleta todas as medidas do usuário você terá lentes muito mais precisas. Não é necessário programas adicionais para as lentes ZEISS EnergizeMe.

40- No astigmatismo ela funciona mesmo o eixo oblíquo?
R: Sim, Se o astigmatismo for oblíquo, a favor da regra ou contra regra as lentes proporcionarão a correção dióptrica da mesma forma para o paciente.

41- Se o produto for comercializado por estabelecimentos óticos, onde eu consigo material técnico sobre o produto?
R: O material de ZEISS EnergizeMe estarão disponíveis com o nosso time comercial.

42- Teremos uma versão “plana” para usar sobre a lente de contato se acrescentar grau?
R: Esta técnica pode ser utilizada sem nenhum problema, basta solicita-las no laboratório ZEISS com a dioptria plana.

43- Tem algum tempo exato para o uso de lentes de contato no olho?
R: As recomendações variam de acordo com cada fabricante de lente de contato. Por favor consultar os mesmos para maiores informações.

44- Quem não utiliza LC, pode ser beneficiado pelo uso da EnergizeMe, visto que quanto mais próxima dos olhos maior qualidade de visão? Sabendo-se que as lentes proporcionam uma visão especialmente otimizada para campos de visão?
R: Não há contra indicações para não usuários. Porém o público alvo deste produto são usuários de lentes de contato que procuram o alívio dos olhos após o uso de lentes de contato utilizando óculos em algum período do dia.

45- E sobre a pergunta anterior de lente mais óculos, seria o caso de pessoas que possuem um grau bastante elevado e usam a lente de contato combinada com o óculos de grau para leitura por exemplo?
R: Para pacientes que utilizam esta técnica, eles também podem utilizar ZEISS EnergizeMe para complementar sua correção sem nenhum problema.

46- A curvatura da nova lente para óculos de receituário facilita a transição de lente para óculos e óculos para lente?
R: O que facilita a transição é a estrutura do desenho das lentes, combinando um desenho amplo e melhor distribuição das dioptrias das lentes e melhor foco para dispositivos digitais.

47- Ao retirar as lentes de contato, deve-se ter um intervalo pra colocar os óculos?
R: Não há um intervalo ideal, depende muito de cada usuário.

48- Pessoas de menos de 20 anos podem fazer uso delas? Itamaraty pergunta.
R: Não há contra indicações para não usuários. Porém o público alvo deste produto são usuários de lentes de contato que procuram o alívio dos olhos após o uso de lentes de contato utilizando óculos em algum período do dia.

Duas lentes fundo preto vidro freeform

Como funciona a tecnologia Freeform?

Por muito tempo na indústria oftalmológica, a criação de lentes com tamanhos e desenhos específicos para cada usuário parecia ser impossível. Mas, foi justamente uma tecnologia desenvolvida pela ZEISS que tornou isso possível. No entanto, antes de você entender o que é e como funciona a tecnologia Freeform, é necessário compreender o funcionamento básico de uma lente progressiva.

Imagine que uma lente progressiva é dividida em duas partes: inferior e superior. A primeira é responsável por apresentar um campo direcionado à leitura, enquanto a segunda é usada para visão à distância e para transição entre as duas zonas, fornecendo visão clara para espaços intermediários.

Nas bordas destas duas partes, por conta das leis da física, ocorrem distorções que podem variar de intensidade dependendo da qualidade do design da lente progressiva. É para corrigir essas aberrações que existe a tecnologia Freeform, que é o cálculo preciso e individualizado de uma lente para reduzir ao máximo as áreas periféricas de distorção. No final, isso resulta em uma melhora na visão e adaptação do usuário.

Na Carl Zeiss Vision, para atingir o que é chamado como superfície Freeform, diversos componentes e variáveis são levados em conta para, junto com a ajuda de cálculos matemáticos e da prescrição do usuário, alcançar e produzir a melhor lente. Com esse método, qualquer necessidade pessoal do usuário pode ser levada em consideração para atingir uma lente progressiva perfeita. 

Todos esses processos meticulosos resultam em campos de visão mais amplos que, posteriormente, proporcionarão melhores condições visuais ao usuário. Entre os cálculos matemáticos, por exemplo, está a medição da distância entre as pupilas do paciente, que define o centro óptico que, na verdade, é a sua verdadeira visão. Ao término do processo, isso será de extrema importância para desenvolver uma lente que propõe correção da visão de longe e de perto. Outra vantagem da tecnologia é a possibilidade de combiná-la com a ZEISS Digital, formando um produto único, capaz de oferecer visão perfeita, ergonômica e livre de qualquer tipo de deformação para quem passa horas em frente aos mais diversos dispositivos digitais, como computador, celular, e tablet.

Desde que foi criada, em 1981, a tecnologia Freeform coleciona uma série de datas marcantes e importantes para a ZEISS. No dia 12 de maio de 2000, a tecnologia foi introduzida no Gradal Individual®, as lentes mais personalizadas oferecidas pela ZEISS. Já em 2006, o FrameFit® possibilitou a criação de lentes nos mais diferentes formatos – redondo, retangular, pequeno, grande – essencial para atender o gosto do cliente. Fora isso, desde 2010, toda a linha de lentes progressivas da ZEISS são acompanhadas com a Freeform, inclusive as lentes de sol e lentes esportivas.

Assim, a tecnologia Freeform aparece como ideal para você ter lentes únicas para seu estilo de vida, proporcionando mais conforto e, claro, a melhor visão.

Cidades Conectadas

Com o nível de desenvolvimento científico atingido pela humanidade tornou-se impossível imaginar o futuro sem tecnologia, mas a verdade é que o presente já está conectado além do que a ciência proporciona. Teóricos como Manuel Castells e Zygmunt Bauman afirmam que já vivemos em uma sociedade em rede onde tudo muda muito rápido, o que acaba se manifestando por meio de cidades modernas.

Desta forma, é possível refletir o que torna uma cidade realmente moderna? O nível de tecnologia usado em suas instalações públicas? A possibilidade de desenvolvimento de startups, presença de universidades e empresas voltadas à inovação? Disponibilidade de internet para todos? O equilíbrio com o meio ambiente? Para as cidades conectadas, a resposta passa por esses temas e vai além.

Em 2016, o relatório Networked Society City Index, produzido pela sueca Ericsson em parceria com a consultoria especializada em desenvolvimento sustentável Sweco, analisou o que cidades do mundo inteiro estão realizando para se adaptar a essa nova realidade. As cinco primeiras do ranking – Estocolmo, Londres, Cingapura, Paris e Copenhague – estão adotando diferentes estratégias de acordo com o que necessitam para se adaptar a essa nova realidade.

A capital sueca, reconhecida por ser uma das cidades com maior qualidade de vida no mundo, compreende a tecnologia como um bem público, ao qual todos devem ter acesso. Um dos destaques que a trouxe à liderança no índice é o acesso praticamente universal à rede de fibra ótica, controlada por uma empresa estatal como se fosse qualquer outro tipo de infraestrutura, o que também explica o grande número de startups sediadas na cidade – algumas de renome internacional, como o serviço de streaming de músicas Spotify.

A preocupação dos suecos com o meio ambiente também se traduz em inovação. Além das tradicionais bicicletas, utilizadas por metade da população, Estocolmo está testando o uso de ônibus elétricos que conseguem recarregar as baterias enquanto esperam no ponto. O projeto faz parte de uma meta maior: o objetivo é eliminar o uso de combustíveis fósseis até 2030, em um esforço para desenvolver a cidade em equilíbrio com a natureza. Mas essa não é a única estratégia para garantir um futuro melhor. As escolas da cidade, conhecidas por sua excelente qualidade começaram a ensinar programação de computadores como disciplina, o que faz com que as crianças tenham contato com a tecnologia desde muito cedo.

A segunda colocada, Londres, é uma cidade cuja tradição fala por si. Mas apesar de seus séculos de história, a capital britânica está longe de ter ficado presa ao passado. Atualmente, entre as 30 startups “unicórnios” da Europa, 11 estão localizadas à beira do Tâmisa.

Na região leste da cidade está localizado o Roundabout, terceiro maior centro de empresas de tecnologia do mundo, que vem revitalizando a região e atraindo cada vez mais investimentos. Um dos destaques é o segmento de fintech, que tem a vantagem de contar com a tradição local em finanças.

Já no distrito de Greenwich está o projeto GATEway, em que veículos autônomos são testados em ambientes controlados, na busca de mais uma solução de transporte para uma capital conhecida por seu eficiente sistema de metrôs, mas que ainda sofre com a qualidade do ar causada pela emissão de poluentes.

As autoridades estudam incentivar ainda mais a proliferação de empresas do setor criando uma agência governamental específica para tecnologia. A prefeitura inclusive já iniciou as buscas para a contratação de um responsável pelo setor de tecnologia do município.

Em terceiro lugar, está Cingapura, que vem passando por um intenso programa de desenvolvimento desde os anos 80. O programa Smart Nation, lançado em 2014 pelo governo da ilha, foca em cinco setores de essenciais para o desenvolvimento: transporte, habitação e meio ambiente, saúde, produtividade e serviços públicos.

Além de investimentos em áreas tradicionais, como desenvolvimento e pesquisa, o governo planeja abrir os dados públicos, fomentando a transparência da gestão. Entre outras iniciativas inovadoras está o conjunto habitacional Yuhua, que inclui ferramentas tecnológicas dentro das residências e também no bairro para monitorar serviços como coleta de lixo, eletricidade e água. Dentro de casa, os habitantes contam com dispositivos que auxiliam no cuidado com idosos e também podem testar ferramentas em primeira mão, colaborando com os desenvolvedores no aperfeiçoamento dos dispositivos.

Paris, a quarta colocada, também aposta no incentivo governamental e na participação de empresas, indústrias e moradores. A capital francesa aderiu ao programa “Market Place of the European Innovation Partnership on Smart Cities and Communities”, que visa conciliar o desenvolvimento tecnológico e humano, valorizando a importância das cidades para o continente europeu.

Entre as áreas priorizadas pelos parisienses, transporte e energia lideram. A cidade planeja criar um circuito energético renovável, em que as fontes de energia se complementam e são medidas junto com outros equipamentos públicos para tornarem-se as mais eficientes possíveis.

Esse conceito de integração pode ser visto no Station F, maior espaço de trabalho coletivo para startups do mundo, que inclui apartamentos residenciais, restaurantes, centro de esportes, correios, espaços para eventos e centros de entretenimento.  O local, apoiado pela iniciativa privada, deve ser inaugurado ainda em 2017 e acredita na cooperação internacional como princípio, atraindo desde o início empresas estrangeiras como o Facebook.

Voltando para o extremo norte, Copenhague, a quinta colocada, aposta no planejamento urbano para definir o estilo de vida dinamarquês nas próximas décadas.  A ideia é construir um novo eixo de desenvolvimento apoiado na construção de uma linha de metrô, com o objetivo de conectar cidades vizinhas da região metropolitana, interligando bairros em vez de gerar conexões somente entre subúrbios e centro.

Novamente, a integração entre moradores, iniciativa privada e governo está na base do projeto e é a base para ideias como linhas de produção sustentáveis, modernização de estruturas para torná-las ecologicamente corretas e mobilidade urbana baseada em princípios ambientais.

Mesmo para as líderes na área, o caminho para cidades completamente sustentáveis, que privilegiem a qualidade de vida de seus moradores e gerem desenvolvimento econômico ainda é árduo. Não existe uma receita única ou fórmula mágica que dê conta de realidades tão distintas, mas a solução parece estar justamente na conexão entre ideias, pessoas e projetos: exatamente como uma sociedade de redes deve ser.

ZEISS Precision Pure te aproxima da tecnologia sem abrir mão da saúde

Mais que entretenimento, a tecnologia faz parte do nosso estilo de vida. Ao longo do dia, estamos sempre acompanhados de celulares, tablets e computadores. Principalmente no ambiente de trabalho, o uso desses aparelhos está cada vez mais intenso. O problema é que esse comportamento esforça os olhos e causa uma grande fadiga na visão, acarretando em dores de cabeça e falta de concentração, principalmente para aqueles que usam óculos. Isso porque a distância de leitura para dispositivos digitais é mais próxima do que quando lemos livros ou outros materiais impressos, exigindo mais dos músculos ciliares.

Para as pessoas que estão sempre conectadas, as lentes ZEISS Precision Pure são a solução. Com a exclusiva tecnologia Digital Inside®, os óculos finalmente respondem às demandas de um mundo cada vez mais digitalizado. As lentes ZEISS Precision Pure oferecem uma imagem nítida, sem fadiga, e com foco rápido para diversas distâncias, tanto para leitura convencional quanto para digital. Além disso, essa é a melhor forma para prevenir a “Síndrome da Visão Computacional”, que, principalmente após os 30 anos de idade, faz com que os olhos percam parte da capacidade de alternar rapidamente o foco entre distâncias diferentes.

imagem com dispositivo

  • Lentes finas e leves
  • Visão nítida e sem fadiga
  • Foco rápido e visão dinâmica
  • Pode ser utilizada para leitura convencional

 

Veja os dispositivos digitais e itens de leitura em que sua visão será beneficiada com o uso das lentes ZEISS Precision Pure:

 

Confira o vídeo para entender mais sobre as lentes ZEISS Precision Pure:

(vídeo institucional do produto:

http://www.zeiss.com.br/vision-care/pt_br/products/lentes-para-oculos/lentes-progressivas/lentes-progressivas-precision-pure.html#tecnologia)

Quer saber onde encontrar uma lente ZEISS Precision Pure? Digite seu CEP e descubra uma loja próxima de você.

StoreLocator

Mulher óculos tecnologia Lentes ZEISS Digital visão

Seus olhos na era digital

A revolução tecnológica do último século deixou marcas profundas no ambiente e no modo de vida de diversas culturas, rompendo barreiras e criando possibilidades inéditas. A consequência é que agora o organismo humano também precisa se adaptar a essas modificações, mas enfrentar novidades sem paralelo pode ser um desafio e tanto. E as Lentes ZEISS Digital podem te ajudar nesses novos tempos.

Entre os órgãos mais exigidos estão os olhos, constantemente expostos a dispositivos eletrônicos com diferentes condições de leitura e luminosidade, um grande esforço para os músculos ciliares, que precisam constantemente alterar a visão entre um foco muito próximo e distâncias maiores (o que acontece quando se usa o celular enquanto caminha, por exemplo).

Tal mudança de comportamento é muito recente, considerando que durante milênios a maior parte das atividades humanas era realizada ao ar livre, fazendo com que os olhos se adaptassem à luz natural e longas distâncias. Por isso, uso excessivo da tecnologia está gerando algumas consequências para a visão.

Um dos exemplos é a fadiga ocular, que provoca o cansaço dos olhos, sensação de ardência e até dores de cabeça. Ela se torna bastante comum em pessoas que utilizam computadores por muitas horas seguidas, porque a tendência dos olhos é piscar menos quando olhamos para a tela, o que reduz a lubrificação ocular.

Alguns estudos analisam a possibilidade de que tamanho esforço para enxergar de perto e o fato de passarmos mais tempo em ambientes fechados esteja fazendo com que mais pessoas se tornem míopes, embora essa seja, a princípio, uma condição genética. A previsão da Academia Americana de Oftalmologia (AAO) é que, em 2020, 27,7% da população brasileira será míope. Em 2050, esse número pode chegar a 50,7% dos brasileiros.

Outra tendência que pode se tornar perigosa é a superexposição à luz azul-violeta emitida pelas telas. Esse tipo de luz é captada diretamente pela parte posterior dos olhos, atingindo uma região sensível chamada mácula, cujas células, após danificadas, não se recuperam.  A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é hoje a principal causa de cegueira no mundo e pode ser causada por exposição excessiva e prolongada à luz azul-violeta.

No entanto, já existem ferramentas que permitem utilizar a tecnologia sem corres riscos ou sentir sintomas desagradáveis. Um exemplo são as Lentes ZEISS Digital, que proporcionam conforto visual para usuários de dispositivos eletrônicos, pois são otimizadas para a distância de leitura de smartphones e computadores e contam com filtros para a luz azul.

Além disso, é muito importante se proteger também ao ar livre, utilizando óculos escuros com lentes polarizadas, que impedem que a radiação ultravioleta cause danos à visão. E, claro, o acompanhamento periódico com o oftalmologista é indispensável para identificar precocemente uma série de doenças e prescrever o tratamento correto, o que garantirá uma visão saudável por muito mais tempo.